23 de jun de 2016

Sopas e inverno: combinação perfeita para manter uma alimentação saudável


Um prato raso de sopa pode ser tão calórico quanto uma refeição completa, com entrada, prato principal e sobremesa. Em rodízios, são oferecidas várias opções de sopas, muitas delas chegam a ter 300 calorias em apenas 200 ml. Não é difícil passar das 1000 calorias, quase metade do indicado para o dia todo. Basta experimentar três sabores, acrescentar um pouco de bacon e de croutons como acompanhamento e pronto: o que parecia light virou inimigo da boa forma.

Sopas creme costumam ser as mais calóricas. Elas são feitas à base de leite integral, margarina, manteiga, creme de leite e queijos gordurosos e podem conter até 300 calorias. “O hábito de ingerir acompanhamentos como pães, queijo ralado, croutons, bacon entre outros, só aumenta o valor calórico desse tipo de refeição”, diz a nutricionista e Gerente de Gastronomia do HCor (Hospital do Coração), Juliana Guedes Simões.

Para auxiliar a degustação de sopas mais saudáveis e nutritivas, Juliana Simões sugere algumas dicas. Segundo a nutricionista do HCor, as sopas mais indicadas são aquelas feitas de forma caseira. Ou seja, preparadas à base de legumes e podendo conter uma fonte de carboidrato (arroz ou macarrão ou batata), uma fonte de proteína (carnes ou aves, sem pele, e com grãos, como feijão, ervilha ou lentilha). “Mas, mesmo nesse tipo de receita, é sempre bom tomar cuidado e observar a quantidade de sal e gordura que será adicionada no preparo. Para ingerir menos calorias também é importante evitar, além do pão, ingredientes como bacon, queijo e linguiça”, explica a nutricionista.

Sopas podem ser oferecidas tanto como entrada, quanto como o prato principal. E isso também é preciso ser observado por quem deseja manter a forma. Quando a sopa é consumida apenas como um complemento, vale a pena ficar atento à quantidade que se vai ingerir e o quanto os ingredientes que a compõem podem ser calóricos.
“Quando a sopa é consumida como uma única refeição, a pessoa pode se dar ao prazer de optar por sabores com mais calorias. Porém, sem exageros. É muito importante levar em consideração os ingredientes da sopa na hora de escolher a quantidade e o sabor que se vai tomar”, diz Juliana.

Receitas saudáveis de sopas do HCor (Hospital do Coração):



Sopa de abóbora com queijo branco e tomilho

Tempo: 40 minutos
Grau de dificuldade: Fácil
Porção: 1 prato fundo ou 250ml
Rendimento: 10 porções
Ingredientes:
4 colheres de sopa de azeite
1 cebola média cortada em cubos pequenos
1 dente de alho grande picado
1 kg de abóbora japonesa descascada e cortada em cubos médios
1 ½ litro de água
2 colheres de chá rasas de sal
1 colher de chá de tomilho fresco picado
250 g de queijo branco em cubos pequenos

Modo de preparo:
Em uma panela aqueça 3 colheres de sopa de azeite e refogue a cebola, em seguida acrescente o alho. Assim que estiver dourado acrescente a abóbora, misture bem e acrescente a água e o sal. Deixe cozinhar por 20-30 minutos ou até que a abóbora esteja bem cozida. Bata no liquidificador. Despeje a sopa de volta à panela, deixe ferver. Enquanto isso, em uma frigideira, aqueça 1 colher de sopa de azeite salteie o tomilho picado por alguns segundos e adicione à sopa. Misture bem e desligue o fogo. Com o fogo desligado, acrescente o queijo cortado em cubinhos.



Sopa de legumes ao pesto de ervas
Tempo: 40 minutos
Grau de dificuldade: Fácil
Porção: 1 prato fundo ou 250ml
Rendimento: 8 porções
Ingredientes:
3 colheres de sopa de azeite
1 cebola média cortada em cubos pequenos
1 dente de alho grande picado
1 cenoura grande cortada em rodelas finas
4 xícaras de chá de água
1 colher de chá rasa de sal
150 g de vagem palito
1 abobrinha (tipo italiana) com casca cortada em rodelas finas

Pesto de ervas
1 colher de sobremesa de azeite
1 colher de sobremesa de tomilho picado
1 colher de sobremesa de manjericão
1 colher de sobremesa de sálvia

Modo de preparo
Em uma panela aqueça o azeite, refogue a cebola e em seguida acrescente o alho. Assim que estiver dourado acrescente as rodelas de cenoura, refogue nos temperos e adicione a água e o sal. Deixe ferver, acrescente a vagem e por último as rodelas de abobrinha. Deixe cozinhar até que os legumes estejam macios, mas sem desmanchar. No liquidificador bata metade da quantidade de legumes cozidos com a água do cozimento. Volte para a panela e deixe ferver. Para o pesto de ervas misture o azeite e as ervas e adicione à sopa antes de servir.

17 de jun de 2016

Brasileiro está mais preocupado com refeição saudável, diz pesquisa



Proprietários de restaurantes percebem maior procura por alimentos saudáveis, segundo estudo do Datafolha encomendado pela ASSERT.

Verduras, legumes, frutas e sucos naturais estão fazendo mais sucesso no almoço do brasileiro. Esta é a percepção de proprietários e gerentes de restaurantes, bares, lanchonetes e padarias entrevistados para a Pesquisa ASSERT Preço Médio da Refeição 2016, que visitou 4.560 estabelecimentos de 51 cidades do País. De acordo com os respondentes, 56% notaram que nos últimos dois anos os clientes estão preocupados ou muito preocupados em manter uma dieta equilibrada, com o consumo de frutas, verduras e legumes, sucos naturais, grãos e proteínas, enquanto apenas 17% atestam que os clientes estão pouco ou nada preocupados com o assunto.

Segundo 61% dos responsáveis pelos estabelecimentos, a procura por legumes e verduras aumentou nos últimos dois anos. No caso dos sucos naturais, 65% dos respondentes perceberam um acréscimo na demanda. As frutas também estão sendo mais buscadas do que antes, de acordo com 53% dos entrevistados.

Percepção dos restaurantes sobre o que é alimentação saudável
Preço, disponibilidade e aspectos culturais influenciam a oferta de alimentos nos restaurantes e também a percepção a respeito de quais são mais saudáveis. Segundo dados da pesquisa, verduras são os alimentos mais saudáveis oferecidos na opinião dos responsáveis pelos estabelecimentos. Em seguida, foram citados os legumes e os peixes. Os pescados foram mencionados com mais frequência nas cidades da região Norte do que nas outras regiões.

A dupla arroz e feijão continua forte na alimentação do brasileiro. De acordo com o estudo, 98% dos estabelecimentos consultados oferecem pratos com arroz, e 95% com feijão, cuja presença é um pouco menor nos restaurantes com sistemas executivo (83%) e à la carte (78%). A demanda por estes ingredientes se manteve estável nos últimos dois anos, de acordo com 57% dos responsáveis pelos estabelecimentos.

Prato Legal
Um dos objetivos da ASSERT – Associação das Empresas de Refeição e Alimentação Convênio para o Trabalhador – ao fazer a pesquisa anualmente é saber mais sobre os hábitos de consumo e a percepção do brasileiro sobre alimentação saudável para incentivar os restaurantes a oferecer cardápios mais equilibrados e adequados às exigências do Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT).

Uma das iniciativas da ASSERT foi a criação do programa Prato Legal, lançado no início de 2014.  Por meio dele, os estabelecimentos credenciados das empresas de alimentação e refeição convênio da entidade recebem suporte e informações de nutricionistas para elaboração de pratos e cardápios equilibrados, com sugestões de ingredientes e orientações de preparo.

O Prato Legal é gratuito para o estabelecimento e oferece conteúdo com dicas práticas de compras, armazenamento e preparo de alimentos para oferecer opções cada vez mais saudáveis, informações sobre como adequar as refeições às exigências do PAT e uma equipe de nutricionistas que responde dúvidas em até 48 horas. Os restaurantes participantes têm acesso a uma ferramenta para construir cardápios de almoço ou jantar que levem em consideração a sazonalidade, a regionalidade dos produtos e os grupos de alimentos. Por meio de informações e dicas, o Prato Legal também oferece orientação para cardápios de refeições menores, como o café da manhã. Para se cadastrar, é necessário ser credenciado a alguma das empresas de alimentação e refeição convênio da ASSERT e acessar o sitewww.pratolegal.com.br.


Metodologia
Para a edição de 2016 da pesquisa, o Datafolha entrevistou, entre dezembro de 2015 e janeiro de 2016, 4.560 estabelecimentos comerciais de 51 municípios brasileiros, sendo 23 capitais, distribuídos pelas cinco regiões geográficas do Brasil. Foram visitados restaurantes, bares, lanchonetes e padarias que oferecem refeições em prato, acomodação em mesa, e que aceitam pelo menos um tipo de vale-refeição. Nestas entrevistas, foram obtidos 5.436 preços de pratos, aos quais foi aplicada uma média ponderada para refletir a maior proporção de estabelecimentos do tipo autosserviço (por peso ou preço fixo) e comercial (prato feito simples) em relação a restaurantes com menu executivo ou serviço à la carte.

14 de jun de 2016

Comissão aprova proibição de venda de refrigerantes em escolas de Ensino Fundamental 1 e 2




A Comissão de Seguridade Social e Família aprovou projeto que proíbe a venda de refrigerantes nas escolas de educação básica (do primeiro ao nono ano), públicas ou privadas (PL 1755/07).

A proposta do do deputado Fábio Ramalho (PMDB-MG) recebeu parecer favorável da relatora, deputada Zenaide Maia (PR-RN). Ela concordou com os argumentos do autor do projeto, de que o aumento dos índices de obesidade infantil no País está diretamente relacionado ao consumo de alimentos como salgadinhos e refrigerantes vendidos nas escolas.

Ela citou levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), feito com base na Pesquisa de Orçamento Familiar (POF) realizada em 2008-2009, que aponta que 14,3% das crianças entre 5 e 9 anos são obesas. O problema atinge todas as classes sociais, em todas as regiões brasileiras. “Estamos vivendo uma epidemia de excesso de peso. A sociedade precisa buscar alternativas para combater esse problema”, disse Zenaide Maia.



A deputada afirmou que a quantidade de açúcar contida em uma lata de 355 ml de refrigerante, em torno de 36 gramas, extrapola a quantidade máxima diária recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que é de 25 gramas. “Para piorar a situação, todo esse conteúdo calórico é praticamente nulo de conteúdo nutricional”, disse.

Tramitação
O projeto já foi analisado pela Comissão de Educação, onde foi rejeitada. O PL 1755/07 será examinado agora na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois, segue para o Plenário da Câmara dos Deputados.

'Agência Câmara Notícias'

13 de jun de 2016

Pão de Santo Antônio



Descoberta do dia: Santo Antonio não garante só o casamento, promete também fartura.
#rezaalenda que "Santo Antônio é conhecido por ser o padroeiro dos pobres e protetor de casais, por isso é um dos santos mais populares do Brasil. Ele nasceu no final do século XII em Portugal e fazia parte do Capítulo Geral da Ordem de Assis. Além de simbolizar a fartura, algumas pessoas optam por comer o pão para conseguir um namorado ou marido."

Aqui comemoramos #bodasdeporcelana (20 anos de casamento) neste ano e olha, casamos na Paróquia de Santo Antônio.


Eu nem sabia, mas fiz esse pão lindo hoje de manhã.

Claro que fui pesquisar:

A história do “Pão de Santo Antônio” remonta a um fato curioso que é assim narrado: “Antônio comovia-se tanto com a pobreza que, certa vez, distribuiu aos pobres todo o pão do convento em que vivia. O frade padeiro ficou em apuros, quando, na hora da refeição, percebeu que os frades não tinham o que comer: os pães tinham sido roubados”.
Atônito, foi contar ao santo o ocorrido. Este mandou que verificasse melhor o lugar em que os tinha deixado. O Irmão padeiro voltou estupefato e alegre: os cestos transbordavam de pão, tanto que foram distribuídos aos frades e aos pobres do convento.
Até hoje na devoção popular o “pãozinho de Santo Antônio” é colocado, pelos fiéis nos sacos de farinha, com a fé de que, assim, nunca lhes faltará o de que comer.
Mais do que a lenda da origem do “Pão de Santo Antônio”, importa perceber toda a riqueza do seu simbolismo. Sem dúvida ele revela toda a riqueza da dimensão apostólica da vida de Santo Antônio.

Esfriou? Reforce a vitamina C com salsinha!




Essa é para quem acha que vitamina se compra na farmácias este vitamina C vem no comprimido efervescente: inclua salsinha fresca na alimentação.

Você sabia que a salsa tem mais vitamina C que uma laranja? 100 gramas de folhas frescas contêm 133 mg de vitamina C, enquanto que 100 gramas de suco de laranja contêm 50 mg de vitamina C.

A salsa é uma erva indispensável para quem quer um sistema nervoso saudável, prevenir e tratar doenças renais, manter a visão em bom funcionamento, e o corpo devidamente nutrido com Vitamina C.

E você sabe por que deve incluir a vitamina C e Vitamina A para reforçar o sistema imunológico do corpo?

A vitamina C é necessária para o colagênio, a principal proteína estrutural encontrado no tecido conjuntivo. Este nutriente essencial, não apenas irá acelerar a capacidade do corpo e para reparar as feridas, mas também manter os ossos e dentes saudáveis.

A Vitamina A fortalece os pontos de entrada no corpo humano, tais como mucosas, membranas, o revestimento dos olhos, e respiratória, urinária e intestinal. Além disso, os linfócitos ou células brancas do sangue, dependem de vitamina A para combater a infecção do corpo.

Então, faça como nós: comece a semana deixando a salsinha limpa, picada e pronta para usar. Mas não esqueça: a salsinha não deve cozinhar, basta inclui-la aos pratos no final, quando estiverem prontos para ir à mesa.

6 de jun de 2016

Giusti, do programa A Batalha - Food Truck, ministra curso para crianças de uma ONG




Acontece na segunda-feira, 06/06/2016, uma aula que o chef Idolo Giusti fará para crianças do Projeto Buscapé da Polícia Militar, em Boiçucanga, litoral de São Paulo. Na “Oficina da Gastronomia”, 100 crianças aprenderão a preparar o choripán, um delicioso sanduíche de chorizo com pão.

Além da receita “tradicional”, que o chef aprendeu numa estadia de três meses no Aconcágua, na Argentina, Giusti ensinará uma modificação que promete aguçar o paladar e a curiosidade: trocar o pão por casquinha de sorvete. Para o chef é uma forma de fazer as crianças experimentarem sabores diferentes dentro de algo que elas já estão familiarizadas e adoram. 

Giusti já participou de outro evento do Projeto Buscapé em que foi voluntário, a festa junina, onde, inclusive, vendeu em poucas horas todos os choripans. Mas é a primeira vez que dará aula lá. 

“Estou ansioso, acompanho o trabalho do chef Eudes Assis no projeto e realmente é uma inspiração. Poder ajudar com o que mais se gosta de fazer é muito gratificante”, diz o chef de São Paulo.

De origem italiana, portuguesa e espanhola, Giusti nasceu num berço de ouro em termos culinários, com muita garra e determinação dos avós e bisavós que chegaram ao Brasil e a Serra da Cantareira há um século. Colonizadores, agricultores e fazendeiros deram origem à história do chef. Com essa bagagem, o chef vem cozinhando e trocando experiências com grandes mestres da gastronomia - de forma profissional há 10 anos - e passando por diversas cozinhas no Brasil e Argentina.



É o idealizador do Cozinhando nas Alturas, um projeto que envolve gastronomia e expedição. O projeto está na segunda fase e prevê mais uma aventura, dessa vez inédita: descer os rios de Roraima e da Amazônia de SUP (Stand Up Paddle). Giusti também participou do programa “A Batalha – Food Truck”, transmitido pela GNT.

Sobre o Projeto Buscapé:


O Projeto Buscapé é uma associação sem fins lucrativos que atua há 7 anos em benefício de crianças e adolescentes do Litoral Norte de São Paulo, mostrando oportunidades para o desenvolvimento e futuro das mesmas. O projeto ganhou o Prêmio Melhores do Ano 2013 da Revista Prazeres da Mesa na categoria Responsabilidade Social.

Outros chefes estiveram por lá: Eudes Assis: Talal Al-Tinawi: Corrin Wilkinson:

4 de jun de 2016

Sabor Paulista promove oficinas culinárias na Festa do Imigrante





De onde vem a salhanka? Que gosto tem uma pita od jabuka? Como se faz um badjia? As respostas para estas perguntas estão no ‘Sabor Paulista’ que, este ano, oferece o espaço de oficinas culinárias gratuitas na Festa do Imigrante, nos dias 5, 11 e 12 de junho. Iniciativa da Globo pela promoção da diversidade gastronômica da cidade, o projeto oferece, aos visitantes da festa, oficinas culinárias sobre a integração de temperos, especiarias, cores, texturas, aromas de 14 países. “A riqueza e a pluralidade da culinária trazida pelos imigrantes ajudaram a construir a identidade gastronômica da cidade de São Paulo e também inspiraram a criação do projeto ‘Sabor Paulista’. Para promover e valorizar ainda mais essa influência, estamos oferecendo este espaço de aprendizado e troca de experiências”, explica Alexandre Mutran, gerente de Comunicação Regional da Globo em São Paulo.
Para compor o espaço, em parceria com o viveiro Sabor de Fazenda, será montada uma horta orgânica com temperos, ervas e hortaliças para criar uma proximidade das pessoas com os ingredientes.



Depois de edições realizadas em feiras-livres e museus da capital, o ‘Sabor Paulista’ volta com uma programação especial neste seu terceiro ano em atividade. Além das aulas ministradas por membros da comunidade de cada país, como o sírio Talal Al Tinawi, a chef Luisa Paiva também ensinará receitas rápidas e fáceis de diversas nacionalidades para os iniciantes. Ao final de cada oficina, o público poderá degustar as delícias preparadas na aula.

Programação das oficinas do Sabor Paulista

05/jun

11:00 Salhanka (misto de carnes com repolho) | Rússia | Associação cultural Grupo Volga

13:00 Lumblija (o pão da memória) | Croácia | Jadran - Dalmacia

14:00 Guacamole | México | Luisa Paiva - Sabor Paulista

15:00 Spring Roll (rolinho primavera vietnamita) | Vietnã | Bruna Kao

16:00 Cuscuz marroquino Marrocos | Luisa Paiva - Sabor Paulista



11/jun

11:00 Falafel | Síria | Talal Altinawi

13:00 Chá Indiano e Samosa | Índia | Samosa & company

14:00 Pesto| Itália | Luisa Paiva | Sabor Paulista

15:00 Sopa de Trigo (grão) | Ilha da Madeira | Folclore e Etnografia Região Autônoma da Madeira - G.F. Casa Ilha da Madeira

16:00 Torrada de zatar | Líbano | Luisa Paiva - Sabor Paulista



12/jun

11:00 Pita od Jabuka (Torta de maça verde) | Croácia | Grupo Jadran - Dalmacia

13:00 Badjia (bolinho de feijão) | Moçambique | Moçambicanos em SP

14:00 Gazpacho | Espanha | Luisa Paiva - Sabor Paulista

15:00 Bacalhau com natas | Portugal | Sueli Benedita

16:00 Porotos com mazamorra (Creme de milho com feijão branco) | Chile | Luisa Paiva - Sabor Paulista



Programação sujeita a alteração.

Oficinas gratuitas.

Capacidade de 80 pessoas por oficina.




Serviço

  • ‘Sabor Paulista’ na 21ª Festa do Imigrante

  • Datas: 05, 11 e 12 de junho de 2016

  • Horário: 10h às 17h 

  • Local: Museu da Imigração - Rua Visconde de Parnaíba, nº 1316 – Mooca – São Paulo

  • Ingresso para a Festa do Imigrante: R$ 6

3 de jun de 2016

Festival de Coxinhas da Padaria Brasileira

“Agora o pessoal de São Paulo vai saber o que é uma coxinha de verdade”, foi isso que li no post de uma amiga em 2014, ao saber que a famosa Padaria Brasileira viria para a cidade de São Paulo. Ela, moradora da região do ABC, sempre falava da “coxinha da Brasileira”, do “sonho da Brasileira”, de, basicamente, tudo que tinha na Padaria Brasileira.

Brasileira 50.jpg
Primeira Padaria Brasileira de Santo André (Foto: Site - Padaria Brasileira)

A Padaria existe desde 1953 e teve a primeira unidade em Santo André, criada pelo casal Abel e Maria Cândida Assunção. A loja existe até hoje e agora é a matriz, contando com mais dois endereços em Santo André, um em São Bernardo e um na região central de São Paulo, na Rua Augusta.

A coxinha da Brasileira é famosa, antes da loja ser aberta na capital Paulista em 2014, já havia sido premiada sete vezes pelo “Comer e Beber” do ABC e a receita continua fazendo sucesso. O salgadinho querido é crocante por fora e bem cremoso por dentro. É beeem clichê falar isso de uma coxinha, não é? Mas é verdade! E quando eu conheci a coxinha da Brasileira foi ~amor à primeira mordida~.

Representando o Conversas de Cozinha, fui conhecer os novos quatro sabores que a Padaria lançou para o “Festival de Coxinhas” que acontece em todas as unidades desde o dia 31 de maio e vai até 30 de junho. São três sabores salgados, cada um sai por R$5,80 e um sabor doce, que é a versão mini e custa R$2,20.

IMG_20160603_121558.jpg
Os três novos sabores salgados criados para o Festival de Coxinhas.

A coxinha de Beringela é uma boa para quem é vegetariano ou quer uma opção mais saudável, o recheio ficou bem temperado e leve. A de Frango Xadrez une as cozinhas Chinesa e Brasileira e eu garanto que fica menos estranho do que parece. E para quem quer um sabor ainda mais inusitado, a de Hot Dog cumpre esse papel. Eu estava desconfiada, mas ficou bem gostosa e nada enjoativa. Afinal de contas: coxinha é bom, cachorro quente é bom, as coisas da Brasileiras são boas: como que uma coxinha de Hot Dog ia ficar ruim :P

IMG_20160603_121625.jpg
Mini coxinha doce.

A versão doce é uma mini coxinha de Beijinho e é difícil comer apenas uma, viu? Não ficou enjoativa e vale a pena experimentar. Se não quiser arriscar na coxinha doce, pode optar pelo sonho da Padaria que é uma delícia também :)

Para saber onde tem uma Padaria Brasileira mais próxima de você, acesse:
http://padariabrasileira.com.br/lojas/

24 de mai de 2016

Entenda as novas regras do que pode ser trazido na bagagem


As regras para ingressar no Brasil com produtos de origem animal de outros países ficaram mais flexíveis. No entanto, ainda há muita dúvida sobre o que de fato, e em que condição, pode ser trazido na bagagem. A liberação depende de rotulagem, processamento e acondicionamento. Também há a quantidade máxima permitida. Quem faz o alerta é o Sindicato Nacional dos Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical). Por isso, fique atento para não ter prejuízo na volta para casa.

Com as novas regras, produtos que antes eram proibidos de entrar sem autorização prévia e certificação do país de origem agora podem estar na mala dos viajantes, como os lácteos industrializados, a exemplo do doce de leite, leite em pó, queijo com maturação longa e requeijão. Além desses produtos, também é permitido os cárneos industrializados, derivados do ovo, produtos de origem animal para ornamentação, pescados processados e produtos de confeitaria que contenham na composição ovos, lácteos ou carne.

Entretanto, de acordo com o fiscal federal agropecuário Oscar Rosa, as pessoas precisam observar as condições de produção e embalagem requeridas para autorização do ingresso do produto no País. “Além das condições de processamento, os produtos devem estar acondicionados em sua embalagem original de fabricação, com rotulagem que possibilite sua identificação, devidamente lacrados e sem evidência de vazamento ou violação. Nessas condições, os riscos à sanidade agropecuária e humana são mínimos”, destaca o fiscal federal agropecuário Oscar Rosa.

Não podem ingressar no País, de forma alguma, mel e produtos apícolas; carnes, pescados e queijos frescos (não maturados); produtos que não venham acondicionados na embalagem original de fabricação, lacrados, rotulados, e sem evidência de violação ou vazamento. “Esses produtos podem trazer contaminação, com risco à sanidade agropecuária e humana”, alerta Oscar Rosa.

18 de mai de 2016

Gosta de uma torradinha bem tostada? Cuidado! Ela aumenta o risco de câncer!

O consumo em excesso de alimentos ricos em amido, como pão e batata, preparados em altas temperaturas pode aumentar o risco de câncer e causar danos ao sistema nervoso e reprodutivo. É o que diz um relatório publicado recentemente pela Agência de Normas Alimentares da Grã-Bretanha (FSA, na sigla em inglês).

De acordo com a agência, o perigo do consumo destes alimentos está na acrilamida - substância formada por uma reação química entre os aminoácidos, açúcares e água presentes nos alimentos ricos em amido quando são preparados a mais de 120ºC. Geralmente, a cor escurecida, típica de alimentos torrados, fritos ou assados, indica a presença de acrilamida.

No estudo, realizado a partir da coleta de amostras de alimentos preparados em casa, os pesquisadores descobriram que a versão mais clara e pálida de uma torrada continha apenas 9 microgramas por quilo de acrilamida, enquanto a mais escura tinha 167 microgramas por quilo.

Em relação às batatas, as que foram fritas pelo maior período de tempo possível (antes de queimar), encontrou-se 1.052 microgramas de acrilamida por quilo. Já a que permaneceu por menos tempo continha 50 vezes menos acrilamida. Assim, quanto mais escura e crocante estiver a batata ou a torrada, maior será a quantidade da substância no alimento.

Assim como a carne vermelha, a acrilamida faz parte da lista da Organização Mundial da Saúde (OMS) de produtos provavelmente carcinogênicos para humanos, ou seja, os efeitos nocivos da substância já foram comprovados em animais e em laboratório, mas ainda faltam evidências em humanos.

Segundo a FSA, o efeito nos humanos depende da quantidade ingerida, mas ainda não foi definida uma quantidade de consumo segura. Entretanto, os pesquisadores enfatizaram que não é necessário parar de comer nenhum alimento. Basta tomar algumas precauções no preparo, como retirar as batatas fritas do óleo quando tiverem uma cor levemente dourada, retirar as torradas do forno ou da torradeira quando ainda estiverem com uma cor clara e seguir as instruções dos fabricantes ao preparar alimentos semi-prontos.

Quem cozinha e conversa?

O blog surgiu da vontade de falar de comida, bebida e alimentação saudável, coisas que estão sempre em pauta na nossa cozinha, nos reuniu desde 2009 numa conversa online, como fazia com os papos nas cozinhas de amigos e os eventos deliciosos de gastronomia dos quais este blog tem participado. Tudo isso está aqui, temperado pela vontade de trocar ideias e aprender. Se você também gosta de um papo de cozinha, puxe uma cadeira e junte-se a nós.

E se quiser conversar com a gente: cozinhaconversa@gmail.com

Google+ Badge

Siga-nos no Twitter @conversacozinha