14 de jan de 2008

Batatas Recheadas...

acompanhamento, batatas, ingrediente, Itália, receita, como preparar batatas recheadas, como fazer batatas recheadas, receitas de batatas recheadasHá pouco folheava uma antigo caderno que um dia teve a pretensão de ter receitas em suas linhas. E ao fazê-lo, lembrei-me dos sabores da infância. Ma Que coisa "bella" era comer as comidas da Nona - sempre aos sábados e aos domingos...

Não por acaso eram os meus dias favoritos da semana. Dia de jogar "burro" (jogo de cartas) com os primos. De pular no famoso pogoball... De ir a praça com o Nono e brincar no parquinho... Mas principalmente, era dia de farra na cozinha...

E a batata era convidada especial. Nhoque de batatas, purê de batatas, tortas, saladas e muitas outras receitas, toda incluindo batatas. Minha Mamma chegou a inventar um bife de batatas que também fez muito sucesso (mas isso fico para um outro dia) porque hoje eu vou falar das famosas batatas recheadas da Nona... Hummmm!!! O preparo das tais batatas envolvia um senhor ritual e devo confessar que nunca soube o nome das tais batatas - até porque, pra gente eram as "Batatas da Nona".

Todo primeiro sábado eu e a mamma saíamos cedo de casa. Nosso destino era o mercado onde a diversão era escolher batatas - tamanho médio (não podia ser nem pequena e tão pouco grande). A brincadeira fazia com que as batatas passassem de mão em mão até chegar ao saquinho (de papel)... Nada de sacolinhas de plástico naquela época! Engraçado era quando o saco de papel não aguentava o peso das batatas... Era batata correndo pelo chão do mercado ou da rua...

acompanhamento, batatas, ingrediente, Itália, receita, como preparar batatas recheadas, como fazer batatas recheadas, receitas de batatas recheadasLá na casa da Nona, as batatas eram lavadas e descascadas pelos ragazzos - coisa de uomo. E claro! Eles faziam isso acompanhados de um belo campari caseiro, este feito pelo Nono - mas não posso dizer o gosto porque criança não bebe e mesmo depois que "cresci" (teoricamente) nunca tomei o tal campari...

Assim que o ritual estivesse pronto (e eles demoravam horas lá naquela mesa e ainda dizem que mulher é que gosta de fofoca). As batatas eram cozinhas com sal e tempero (a Nona colocava salsinha e mangerona)... Assim que estivessem cozinhas (o ponto era visto com um palito de dente que não podia entrar facilmente na batata) trocava-se a água e esperava esfriar. Nessa hora entrava em ação a indústria da batata recheada.

A minha prima Mariana cortava as batatas ao meio. O meu primo PR colocava o queijo no meio da batata e as entregava para o "pirralho junior" Bruno enfiar o palito na batata. Era uma briga com aquele bambino que sempre queria fazer alguma coisa. E eu passava no ovo e entregava para a Marisa passar na farinha de rosca.

Claro que voava farinha, algumas batatas também. Sem falar nas batatas que desapareciam. Eu sempre adorei batata cozida e com aquele tempero de Nona... Bem, depois de toda essa bagunça, a Nona juntava as moglies da casa e fritavam as batatas em óleo fervendo para que elas ficassem sequinhas...

Devidamente servidas com uma salada (incumbência da mia Mamma) e um arroz branco que ninguém fazia melhor que mio Nono. A bem da verdade, salada e arroz era o que a gente menos comia...

Faz muito tempo que não faço as tais batatas, até porque o sabor principal estava no ritual dos sábados na casa da Nona. É realmente gostosa - mas os sabores da infância existem graças aos pequenos rituais - aqueles que com o tempo ficam apenas na memória da gente...

acompanhamento, batatas, ingrediente, Itália, receita, como preparar batatas recheadas, como fazer batatas recheadas, receitas de batatas recheadasPara quem se interessou pelas batatas, duas dicas de Nona - misture queijo ralado (tipo parmezan) na farinha de rosca e passe duas vezes a batata no ovo e na farinha. A casquinha da batata fica mais crocante.

Ah! E uma sugestão de acompanhamento para as batatas recheadas é um chá tropical, feito de folhas de limão galego (seis folhas lavadas) e raspa de cascas de 2 laranjas. Depois de pronto, você pode ainda adicionar o caldo de meia laranja (gelado)...

Quer saber se fica bom? Você tem duas opções, preparar ou acreditar nos meus sabores de infância. O chá ainda tomo até hoje...

Abraços a todos.
Lunna



Postar um comentário

Quem cozinha e conversa?

O blog surgiu da vontade de falar de comida, bebida e alimentação saudável, coisas que estão sempre em pauta na nossa cozinha, nos reuniu desde 2009 numa conversa online, como fazia com os papos nas cozinhas de amigos e os eventos deliciosos de gastronomia dos quais este blog tem participado. Tudo isso está aqui, temperado pela vontade de trocar ideias e aprender. Se você também gosta de um papo de cozinha, puxe uma cadeira e junte-se a nós.

E se quiser conversar com a gente: cozinhaconversa@gmail.com

Google+ Badge

Siga-nos no Twitter @conversacozinha