15 de mar de 2008

Kare Raisu

250px-curry_and_rice.jpgConversando no msn com Renata, do Moda Para Usar, lembrei deste rascunho aqui - na verdade, fui procurar a receita para ela e notei que estava no rascunho desde 31/07/2007!
Esta é uma receita muito simples, que, como o ratatouille do filme, agrada ao paladar justamente por relembrar comida de infância. Minha Batian não era muito fã deste prato, mas aprendi a aprecia-lo no Japão, onde é muito popular, por ser uma refeição completa, quentinha e barata. Há diversas "kare house" espalhadas no arquipélago e rice curry é servido sempre igual: muito arroz branco (shiro gohan, ou arroz japonês sem tempero, se você gostar), o cozido de carne, vegetais e curry cobrindo metade da porção de arroz e sobre a outra metade um filé de carne de porco ou frango à milanesa. Para quem gosta, acompanham conservas de vegetais, como fukujinzuke ou shoga (conserva de gengibre).
Os amigos que já moraram no Japão costumam me pedir para fazer carê sempre que esfria, dizem que o meu fica igual ao do Japão. Um dia farei para a Lina conferir e ver se é verdade.
Preparo e ingredientes
Para preparar refogue bem carne bovina cortada em cubos (como para goulash) em um pouco de óleo, alho e cebola picadinhos. Mas, como diz minha empregada Drausia (que não faz comida japonesa, mas é excelente preparando carne cozida), precisa "queimar bem" a carne, o que os chefs na TV falam que é "selar" bem.
As maçãs são o segredo do meu carê (deve ser por conta do segredo que deixei no rascunho por tanto tempo!). Acrescente-as, picadas como para torta, ao cozimento da carne, o sabor adocicado penetrará e elas vão desmanchar.
Minha experiência aqui no Brasil me mostrou que a melhor carne é de segunda, o acém, porque solta "um caldo" mais presente e desmanha menos. Cozinhe na panela de pressão por uns vinte minutos, até amolecer um pouco e soltar um caldo bem forte.
Acrescente o sal a gosto (mas sem exagerar, pois o curry é bem forte e este prato é levemente adocicado), a cenoura (cortada à japonesa, não em cubos, mas em triângulos) e batatas. Se sua família for fã de cebolas como a minha é, inclua-as cortadas em cubos como para frango xadrez. Mas lembrem, na culinária japonesa nada é tão pequeno que não possa ser comido com os hashis (palitos) nem tão grande que precise ser cortado com garfo e faca. A medida é caber na boca. ;)
Cozinhe os vegetais por mais uns 10 a 15 minutos, até amolecerem sem desmanchar.curry-sb-mild.jpg
goldencurry_jumbo200-110.jpg Ao final, acrescente os tabletes de curry que podem ser comprados em lojas de produtos orientais. Se não for fácil encontrar na sua cidade, você pode usar o pó de curry (mas dê preferência para um de boa qualidade, indiano mesmo ou de boa marca inglesa) dissolvido em água fria com um pouco de maizena. Não fica igual, mas se assemelha.
Observação: não faço a menor idéia de quantidades pois sempre faço para muita gente, mas digamos que uso para 1 kg de carne, o mesmo de maçãs, cenouras e batatas e um tablete grande de golden curry.
180px-fukujinzuke.jpgP.S. O fukujinzuke é uma das minhas conservas japonesas favoritas. Como descendente de alemã e japonês, não tinha como eu não apreciar picles, né? Esta conserva é uma das mais populares do Japão, geralmente associada ao rice curry, preparada com nabo, beringela, raiz de lotus e pepino cortados bem fininho e deixados para curtir em shoyu, resultando numa textura crocante. O nome da conserva é uma história à parte. Deriva da lenda dos Sete Deuses da Felicidade (ShichiFukujin) e em homenagem a eles algumas variedades de fukujinkuze contém ervilhas tortas ou vagem, shitake ou sementes de gergelim (goma) como ingredientes, numa variação regional.
Postar um comentário

Quem cozinha e conversa?

O blog surgiu da vontade de falar de comida, bebida e alimentação saudável, coisas que estão sempre em pauta na nossa cozinha, nos reuniu desde 2009 numa conversa online, como fazia com os papos nas cozinhas de amigos e os eventos deliciosos de gastronomia dos quais este blog tem participado. Tudo isso está aqui, temperado pela vontade de trocar ideias e aprender. Se você também gosta de um papo de cozinha, puxe uma cadeira e junte-se a nós.

E se quiser conversar com a gente: cozinhaconversa@gmail.com

Google+ Badge

Siga-nos no Twitter @conversacozinha