25 de abr de 2009

Truques para fazer a comida semi-pronta ficar ótima

[gallery columns="4"]

Sempre fui favorável a preparar os alimentos em casa. Sem o excesso de não usar nem molho de tomate pronto ou fazer a própria massa (creiam, isso existe, a casa da minha sogra era assim quando comecei a namorar meu marido), mas eu não achava grande vantagem em usar os semi-prontos. E um dos meus pontos mais críticos era o bolo, porque eu faço "boloterapia", quando estou muito cansada ou desanimada, faço um bolinho e aquele cheiro aconhegante que fica pela casa já me deixa alto-astral. 

Mas, desde que voltei a trabalhar depois de ter filhos, me rendi às misturas de bolos em pó. Elas facilitam muito. Mas, para não ficar com aquele gosto padronizado, tenho uns truques. Hoje fiz um bolo de chocolate com café. Dilui café solúvel em água morna, de modo a ficar bem forte, e usei-o como parte do líquido que pedem no pacote do bolo (geralmente é uma xícara de leite). A outra parte ficou por conta de iogurte natural, que aqui em casa adoramos e fica muito bom em bolos. Bati no mixer, com claras separadas de gemas, o que fez a massa ficar linda, como um verdadeiro Gateau au chocolat. Quando ficou pronto cortei na própria forma, ainda quente, regando-o com uma calda de chocolate (daquelas que fazemos em 3 minutos com 1/2 xícara de nescau, 1/2 xícara de açúcar, 1 colher de margarina e 4 colheres de leite aquecidos até borbulhar).   

Aí veio a ideia de testar um chantilly que comprei há uma semana. Minha mãe sempre fez chantilly com creme de leite fresco (e a torta que ela faz com chantilly fresco e nozes pecans merece um post aqui), mas eu não consigo achar o tal creme fresco (tão comum lá no sul) nos mercados de Sampa. Testei o chantilly (de 200ml) da Amélia e ficou muiot bom. Já é adoçado e, apesar de não parecer chantilly de verdade, parece muito com o chantineve da minha infância e fica pronto num instantinho. Bolo quente com cobertura de calda de chocolate e chantilly ficou com gosto delicioso de petit gateau!

E valeu relembrar em casa daquela piadinha do curso de francês: "un gateau que n'est pas un chat que n'est pas um thé" (um bolo que não é um gato que não é um chá, trocadilho com as palavras que são parecidas mas cujos significados não tem nada a ver!).

P.S. O almoço também tinha truque semi-pronto: meu filho pediu panquecas recheadas e eu estava na maior preguiça com a sujeira de liquidificador, de frigideira no fogão e molho de tomates. Testei uma panqueca semi-pronta que se mostrou muito saborosa (embora seja meio quebradiça) e foi super prático. Para completar, o molho de tomates sem conservantes da Pomarola em sachet que tenho usado e é bem suave .
Postar um comentário

Quem cozinha e conversa?

O blog surgiu da vontade de falar de comida, bebida e alimentação saudável, coisas que estão sempre em pauta na nossa cozinha, nos reuniu desde 2009 numa conversa online, como fazia com os papos nas cozinhas de amigos e os eventos deliciosos de gastronomia dos quais este blog tem participado. Tudo isso está aqui, temperado pela vontade de trocar ideias e aprender. Se você também gosta de um papo de cozinha, puxe uma cadeira e junte-se a nós.

E se quiser conversar com a gente: cozinhaconversa@gmail.com

Google+ Badge

Siga-nos no Twitter @conversacozinha