14 de out de 2010

Em aulas de culinária, crianças aceitam novos alimentos e treinam coordenação

Boa dica para os pais e mães que não sabem mais o que fazer para ensinar os filhos a comer bem.
Segundo artigo de Gabriela Cupani, em aulas de culinária as crianças aceitam novos alimentos:

Na escolinha de culinária, a nutricionista Denise Haendchen passa receita de torta de milho às crinças
Hoje não se fazem mais avós como antigamente e muitas mães nunca pisaram numa cozinha- ou não têm tempo para isso.

Mas, de uns tempos para cá, cozinhar virou moda. A febre chegou às crianças: ateliês e cursos infantis de culinária se multiplicam e os colégios aderiram à onda.

A Escola Wilma Kövesi de Cozinha, uma das pioneiras em São Paulo, oferecia quatro turmas infantis por ano em 2004. Hoje são seis, com 18 alunos, com igual procura de meninos e meninas.

"Muitas mães não querem as crianças na cozinha por causa dos perigos e da sujeira", diz Vera Xavier, gerente do Atelier Gourmand.

Quem procura esses cursos não são apenas as mães desesperadas, preocupadas que os rebentos cheguem à idade adulta sem saber a diferença entre forno e fogão.

Hoje, a missão dessas aulas está muito mais ligada à promoção de uma relação mais saudável dos pequenos com a alimentação.

"A intenção é ultrapassar o ensino das receitas e introduzir uma cultura do alimento, estimular a conscientização de que é importante se alimentar bem. E muitas mães, hoje, não têm tempo para isso", diz Marisa Furtado, da escola Madame Aubergine.

"As aulas ajudam a derrubar preconceitos", diz a professora Betty Kövesi.

Quando é a própria criança que prepara a comida, caem muitos mitos e ela fica com vontade de experimentar sabores novos, segundo a nutricionista Silvana Cintra.

"As aulas são uma forma de educar os pais, e estimulam que eles também se interessem mais pela alimentação", explica ela.

POTINHOS

Esse é o caso da professora Camilla Guimarães, 33 anos, mãe de Maria Beatriz, 9, e de Alice, 2. Depois de desenvolver diabetes gestacional na segunda gravidez, ela teve de modificar sua relação com a comida. "Não queria que minhas filhas tivessem problemas de saúde relacionados à má alimentação", diz. "Quando era criança, minha mãe nunca cozinhava. Tudo o que comíamos eram potinhos. Acho que vem daí meu problema com a comida. Por isso quero uma experiência diferente para minhas filhas", conta Camilla.

A mais velha ainda não está totalmente convencida, mas já arrisca dizer que gosta do cheiro do alho e da cebola.

A advogada Camila Junqueira Franco, 36, mãe de Isabel, 4, e Luiz Antônio, 2, não consegue fazer a filha comer legumes -exceto quando estão na sopa.

Com o curso, pretende despertar a curiosidade em relação aos vegetais e mudar o discurso da menina de que "salada é coisa de adulto". Até aqui, vem dando certo.

A menina ainda não desenvolveu o gosto por abobrinhas, mas quando brinca de supermercado já coloca no carrinho de brinquedo cenouras e tomates.

Para a especialista em nutrição pediátrica Denise Haendchen, do Mini Gourmet, os resultados positivos desses cursos também ocorrem pela relação especial das crianças com a professora.

"A tendência é que utilizem a alimentação como uma forma de barganha com os pais, até porque essa é uma das poucas coisas que conseguem controlar."

Além do orgulho de ter feito a comida e do estímulo de ver os amigos provando, não há pressão nem negociação.

Outros benefícios são o desenvolvimento da criatividade, da coordenação motora e até de noções de matemática.

No entanto, usar as aulas para ensinar conteúdos de forma regular não é consenso. "Sou contra o viés utilitarista. Essas aulas não devem ser vistas como estratégia para chegar a um conhecimento sobre matemática ou nutrição, por exemplo", diz a psicóloga Rosely Sayão, colunista da Folha.

Para Sayão, elas podem servir de apoio dentro de disciplinas, como laboratório. "Na educação infantil, são uma ótima estratégia para se conhecer melhor, desenvolver os sentidos, socializar", exemplifica a psicóloga.

"Elas percebem cheiros, texturas, gostos", diz Paula Bacchi, orientadora do Infantil e Jardim do Colégio Santa Maria, em São Paulo.

"Nada contra fazer uma oficina nas férias, mas a prática regular dessa atividade deveria acontecer em casa, e não em cursos. A cozinha de casa tem o poder de agregar e ali a criança tem o sentido de pertencimento, aprende tradições alimentares", lembra Sayão.

As mães modernas vão ter que se preparar para arregaçar as mangas também -e relevar toda aquela farinha espalhada pelo chão.

COZINHA É O LUGAR MAIS PERIGOSO DA CASA

Segundo Denise Haendchen, é melhor informar as crianças sobre as regras básicas de segurança do que afastá-las da cozinha. É preciso avisá-las do perigo de mexer na gaveta de facas ou do que pode acontecer com uma panela quente. "Sem a noção das consequências, meninos e meninas correm mais risco. E é preciso repetir muitas vezes sobre o que pode machucar".

REGRAS

Fogão e aparelhos como batedeiras e liquidificadores só devem ser manuseados por adultos

Crianças devem ser ensinadas a apenas observar quando é necessário aquecer algo, mesmo que seja só no micro-ondas

Crianças não devem manipular facas e outros utensílios cortantes. Nos cursos, os ingredientes são previamente cortados

Panelas devem ficar nas bocas de trás do fogão e sempre com os cabos virados para dentro

ONDE ENCONTRAR CURSOS PARA CRIANÇAS

EM SP

Mini Gourmet
www.minigourmet.com.br

Madame Aubergine
www.madameaubergine.com.br

Atelier Gourmand
www.ateliergourmand.com.br

Escola Wilma Kövesi de Cozinha
www.wkcozinha.com.br

Béth Soâres Paladar e Requinte
www.bspaladarerequinte.com.br

NO RIO

Ma Cuisine
www.macuisine.com.br
Postar um comentário

Quem cozinha e conversa?

O blog surgiu da vontade de falar de comida, bebida e alimentação saudável, coisas que estão sempre em pauta na nossa cozinha, nos reuniu desde 2009 numa conversa online, como fazia com os papos nas cozinhas de amigos e os eventos deliciosos de gastronomia dos quais este blog tem participado. Tudo isso está aqui, temperado pela vontade de trocar ideias e aprender. Se você também gosta de um papo de cozinha, puxe uma cadeira e junte-se a nós.

E se quiser conversar com a gente: cozinhaconversa@gmail.com

Google+ Badge

Siga-nos no Twitter @conversacozinha