31 de mar de 2011

Jesuítas portugueses criaram um dos pratos mais tradicionais da culinária japonesa na Quaresma


Um prato típico da culinária japonesa, criado por jesuítas portugueses, é a opção ideal para se comer na sexta-feira Santa. Bastante apreciado pelo paladar dos brasileiros, o tempurá autêntico deve estar bem sequinho por fora e fresco por dentro. Antes de serem fritos, todos os ingredientes são empanados com uma massa chamada koromo, feita de ovo, farinha e água. É essa mistura que deixa a massa crocante.
A história do tempurá está ligado ao período da Quaresma, quando os religiosos católicos faziam jejum de carne vermelha. Pouca gente sabe que o hábito de consumir legumes e frutos do mar fritos foi levado por jesuítas portugueses que estavam em missão no Japão no século XVI. Até então, a fritura era uma técnica culinária desconhecida no Japão, pois o óleo, artigo raro, destinava-se principalmente à iluminação. Sobre a origem da palavra tempurá há várias versões. Ela pode ter derivado das palavras portuguesas tempero ou templo. Há uma outra versão que diz que ela pode ter sido inspirado na Quaresma. Os jesuítas seguiam restrição alimentar durante a quaresma - em latim, "ad tempora quadragesimae". O "tempora" virou "tempurá", que os orientais criaram ao ver os portugueses fritando os poucos alimentos que podiam ingerir nestes dias.
Há ainda uma outra história que diz que "tempura" é uma adaptação de "tempera" de aço, numa referência ao utensílio no qual o prato era preparado. O prato começou a ganhar popularidade no período Edo (1600-1867) quando versões de peixe fresco empanado passaram a ser vendidos a preços populares em barracas nas ruas da região da baía de Tokyo. Com o tempo, o modo de empanar os alimentos e o jeito de fritar e preparar o molho ganharam um toque oriental.

Aqui em casa, como boa descendente de japoneses, eu faço tempurá (modéstia totalmente à parte) super bem. Fica uma delícia, mas dá trabalho e faz sujeira na cozinha toda! (risos)

Eu faço a receita super de cabeça, mas para quem quiser tentar, indico a que vi no site do Mais você, via Hugo Kawaushi:

Massa Koromo:

- 350g de farinha de trigo
- 1 ovo
- 1/2 litro de água

Sugestões de recheio:

- Cenoura
- Vagem
- Berinjela
- Abóbora
- Abobrinha
- Batata doce
- Pimentão
- Camarão

Molho Tem Tsuyu:

- 2 1/2 copos (americano) de água
- 1/2 copo (americano) de shoyo
- 1/4 copo (americano) de saquê mirim
- 3 envelopes de caldo de peixe em pó
- 1 colher (sobremesa) glutamato monossódico

Para acompanhar na hora de servir:
- 1 colher (chá) de gengibre ralada
- 1 colher (chá) de nabo ralado

Massa " Koromo

Bata o ovo, adicione a água e misture bem. Junte a farinha de trigo e deixe na textura de massa de panqueca, mas não tão lisa.


Recheio:

Corte os legumes em pedaços:

- Cenoura: 8 X 2 cm
- Pimentão: 8 X 2 cm
- Vagem: corte ao meio
- Couve-flor: 2 a 3 galhinhos em cada buquê

Passe-os na farinha de trigo e em seguida pela massa, segurando-os com a ponta dos dedos. Coloque na frigideira com óleo quente (180ºc mais ou menos) e respingue um pouco da massa com os dedos para ficar crocante. Retire os legumes quando estiverem dourados e tire também os pedacinhos de massa que
respingou. Sirva com o molho Tem Tsuyu. Para 4 pessoas calcule 4 pedaços de cada legume sugerido.

Molho Tem Tsuyu:

Numa panela, coloque a água, o shoyo, o saquê, o caldo de peixe em pó e o glutamato. Misture, leve ao fogo e deixe até levantar fervura. Desligue o fogo.

Para acompanhar na hora de servir misture a gengibre ralada e o nabo ralado.

P.S. Para quem não quer fazer fritura em casa, a opção é comer o tempurá misto de legumes e camarão em restaurantes como o Hiro, cuja assessoria nos brindou com esta história ligada à quaresma. Um prato de tempurá com sabores diversos custa R$ 59 e é dos mais pedidos.
Postar um comentário

Quem cozinha e conversa?

O blog surgiu da vontade de falar de comida, bebida e alimentação saudável, coisas que estão sempre em pauta na nossa cozinha, nos reuniu desde 2009 numa conversa online, como fazia com os papos nas cozinhas de amigos e os eventos deliciosos de gastronomia dos quais este blog tem participado. Tudo isso está aqui, temperado pela vontade de trocar ideias e aprender. Se você também gosta de um papo de cozinha, puxe uma cadeira e junte-se a nós.

E se quiser conversar com a gente: cozinhaconversa@gmail.com

Google+ Badge

Siga-nos no Twitter @conversacozinha