2 de out de 2012

Cogumelos são fitoterápicos, dizem especialistas! Que tal incluir estes "fungos" nas refeições cotidianas?


Reproduzo o artigo do blog do médico Alex Botsaris, autor de livros como: “O Complexo de Atlas”, “Sem Anestesia” e “Fórmulas Mágicas“ e “O Prazer de Se Cuidar”. Acaba de lançar “Medicina Ecológica”. Consultor da Pierre Alexander Cosméticos. Sigo-o no Twitter e recomendo: @alexbotsaris.


Cogumelos são iguarias na cozinha, mas vários têm sido usados também como fitoterápicos em muitos sistemas médicos tradicionais. Eles são classificados em reino à parte: o dos fungos com mais de 40 mil espécies. Isso se deve a estudos mais aprofundados feitos na década de 60 – antes eram considerados como pertencentes ao reino vegetal.
A sua classificação foi reavaliada porque os pesquisadores perceberam características especiais. Por exemplo, não possuem clorofila, nem fazem fotossíntese, e suas células possuem estruturas, como retículo endoplasmático, que são muito mais ativas, metabolicamente, que os vegetais. Isso permite que eles tenham uma velocidade de crescimento e desenvolvimento que são únicas na natureza. Os fungos ainda formam quitina e glicogênio, que são polissacarídeos característicos dos animais, fatores de afinidade entre esses dois reinos.
Benefícios à saúde
Fungos sintetizam várias substâncias específicas do seu reino, como alguns tipos de açúcares, alguns lipídeos, e proteínas ricas em cisteína, todos ativos que explicam partes dos benefícios que eles podem trazer aos humanos. Cogumelos são considerados tônicos, diuréticos, sedativos, estimulantes da imunidade, afrodisíacos, estimulantes do fígado e do baço, adstringentes e resolutivos pelas medicinas tradicionais. A ingestão diária de cogumelos, dizem os sistemas tradicionais, reforça as defesas e previne várias doenças como os problemas cardiovasculares e o câncer.
Shitake: delícia saudável
Assim, vale rever o que a pesquisa científica revelou, nos últimos anos, sobre os cogumelos. O shitake (Lentinula edodes), delicioso cogumelo da culinária japonesa, por exemplo, tem vários efeitos positivos sobre a saúde. Esses cogumelos são ricos em manganês e selênio, dois minerais que exibem atividade antioxidante, por atuarem como co-fatores de enzimas. O próprio extrato de shitake exibe efeito antioxidante. Também encontramos nele o manitol, um poliálcool, que tem potente efeito diurético, e pode explicar esse tipo de emprego popular. No shitake, assim como em muitos outros cogumelos, existem muitos polissacarídeos com efeito imunoestimulante e modulador da imunidade. Por isso, acreditam alguns pesquisadores, os dados epidemiológicos sugerem que ele tenha uma ação preventiva do câncer.
Maitake: potencial prevenção para o câncer
Outro cogumelo da culinária japonesa, o maitake (Grifola frondosa) também tem várias atividades benéficas sobre o organismo humano. Seus polissacarídeos são ainda mais estudados que os do shitake, e mostraram não só capacidade de estimular a imunidade, como um potencial de tratar ou prevenir alguns tipos de câncer. Em estudo recente, por exemplo, o extrato aquoso de maitake foi eficiente em inibir a proliferação de diferentes linhagens de câncer de estômago. O maitake ainda tem um efeito sobre o metabolismo da glicose, podendo ajudar no diabetes. Em camundongos geneticamente modificados e diabéticos, o extrato de maitake consegue reduzir de forma significativa a glicose no sangue dos animais tratados, e parte desse efeito foi atribuído à presença de oligoelementos no extrato como cromo e vanádio.
Medicina chinesa e cogumelos
Da medicina chinesa temos, igualmente, cogumelos muito interessantes. O ganoderma (Ganoderma lucidum) é um dos que possui mais investigação científica, e tem mostrado potencial como imunomodulador, agente preventivo do câncer, protetor contra a aterosclerose, hipoglicemiante, protetor do fígado, antiviral e sedativo. Ele tem sido usado no tratamento complementar de pacientes com diabetes, leucemia, imunodeficiência, carcinomas e hepatite B.
Um segundo cogumelo originário da China é o cordiceps (Cordyceps chinensis), que também exibe potente atividade moduladora da imunidade, além de ação anti-inflamatória, tendo mostrado eficácia em recuperar o nível normal de células brancas no sangue, após leucopenia causada por quimioterapia. Estudos revelaram uma ação desse fungo também no pulmão onde reduz a secreção de muco e causa dilatação brônquica – todos efeitos que explicam seu uso tradicional em asma. O cordiceps exibe ainda atividade contra vários tipos de vírus, inclusive do vírus Influenza, da gripe comum.
Cogumelo do sol
No Brasil, temos a nossa versão tupiniquim de cogumelo imunoestimulante, conhecido como cogumelo do sol (Agaricus blazei). Os polissacarídeos desse cogumelo se mostraram tão potentes em estimular a imunidade e prevenir câncer nos modelos experimentais, que os pesquisadores japoneses vêm investindo muito em pesquisá-lo, e produziram várias patentes. As formas do cogumelo do sol que podem impedir o câncer são muitas, de acordo com as pesquisas feitas e incluem a inibição das metástases, a inibição da angiogênese (impede o tumor de ter vasos sanguíneos para se alimentar), efeito citotóxico (1) direto sobre células cancerosas, estímulo da imunidade e indução da apoptose (um tipo de suicídio celular que impede as células doentes de continuarem vivendo).
Eu sempre procuro incluir cogumelos na minha alimentação. Virtualmente quase todos possuem efeito estimulante da imunidade, e com isso ajudam na prevenção e tratamento de várias doenças. Em geral, combino diferentes cogumelos nos pratos como shitake, shimeji, cogumelo de Paris, “fungui porcini” e champignon comum.
(1) efeito direto que mata células nocivas como as cancerosas.


Postar um comentário

Quem cozinha e conversa?

O blog surgiu da vontade de falar de comida, bebida e alimentação saudável, coisas que estão sempre em pauta na nossa cozinha, nos reuniu desde 2009 numa conversa online, como fazia com os papos nas cozinhas de amigos e os eventos deliciosos de gastronomia dos quais este blog tem participado. Tudo isso está aqui, temperado pela vontade de trocar ideias e aprender. Se você também gosta de um papo de cozinha, puxe uma cadeira e junte-se a nós.

E se quiser conversar com a gente: cozinhaconversa@gmail.com

Google+ Badge

Siga-nos no Twitter @conversacozinha