8 de set de 2014

Comida light e com pouco sal pode ser saborosa?

Confesso que até pouco tempo minha resposta seria um clamoroso NÃO.

Sempre fui meio avesso aos pratos light, porque nunca havia me convencido de que seria possível preparar alimentos saborosos sem usar ingredientes que reconhecidamente são calóricos, como manteiga, azeite, bacon e carnes mais gordas. Nunca parei para pensar que além das gorduras, o sal era outro fator importante quando se pensa em uma alimentação menos prejudicial a saúde. Claro que sabemos que o sal eleva a pressão arterial e por consequência sobrecarrega o coração e as artérias, podendo levar a derrames e infartos, mas pensar na redução drástica do sal na alimentação é uma tarefa que merece nossa atenção.

Mas, como paradígmas nasceram para ser quebrados, confesso que mudei de opinião desde que começamos a organizar o nosso último evento do Viva Positivamente. Ao nos reunirmos (eu, Karina e Fernanda) com a Dra. Maria Cecília Corsi, em seu aconchegante bistrô, o LivLight Nutrição Gourmet, para falarmos como seria sua palestra sobre o excesso de sódio na alimentação.

A primeira lição e a que eu considerei mais importante naquele dia: aprender a resgatar o sabor dos alimentos, que inevitavelmente ficam mascarados pelo excesso de sal.

Parece óbvio, mas é um valor fundamental de uma alimentação saudável e equilibrada. Esse preceito norteia os fundamentos da gastronomia da Dra. Maria Cecília e nos deu uma nova perspectiva de preparo e saboreio de alimentos, com menos sal, mas com muito sabor.



O evento
Reunir pessoas amigas em volta da mesa, já é um evento completo. Posso dizer que o nosso encontro foi assim. Gente boa, reunida para comer e aprender muito. Foi um privilégio ter uma aula sobre alimentação saudável com Dra. Maria Cecília. Foi um privilégio porque, além de profunda conhecedora da nutrição humana, ela é profunda conhecedora das pessoas e dos sabores.

Sua aula foi prática, e começou pelos temperos que dão sabor aos alimentos, realçam os demais ingredientes. Outra informação fundamental foi sobre a quantia de sal que devemos utilizar no preparo de cada prato. Pra se ter uma base, a OMS determinou que devemos consumir 2000mg de sódio por dia, ou seja, em cada grama de sal de cozinha, temos 400mg de sódio, o que nos daria liberdade para consumir até 5g de sal por dia. Conhecemos também uma boa alternativa ao sal de cozinha comum: o sal do himalaia que tem aproximadamente 200mg de sódio por grama, ou seja metade,além de outros 84 minerais fundamentais para o organismo.

Voltando ao evento, enquanto conhecíamos os temperos e as propriedades do sal, nos era preparado um delicioso risoto de aspargo com lulas, cobertos com cebola cozida numa redução de Coca-Cola. Ficou saboroso, rico e leve.

Enquanto o risoto estava no fogo, degustamos uma salada muito saborosa, feita no estilo tabule com trigo, ricota e broto de alfafa.

Para completar, o prato principal foi um filet preparado com uma crosta de temperos numa cama de purê de bananas.



Risoto já decorado

Filé com shiitake e purê de banana
Tabule de trigo, ricota e proto de alfafa

Foi uma experiência maravilhosa. Mudei minha percepção sobre a alimentação saudável e principalmente sobre o sal nos alimentos. Então meus amigos, a chave para tudo na vida é equilíbrio. Não prive-se de nada, desde que respeite os limites do nosso organismo, exercite-se diariamente e seja feliz.



 Veja também outros posts do evento:

Postar um comentário

Quem cozinha e conversa?

O blog surgiu da vontade de falar de comida, bebida e alimentação saudável, coisas que estão sempre em pauta na nossa cozinha, nos reuniu desde 2009 numa conversa online, como fazia com os papos nas cozinhas de amigos e os eventos deliciosos de gastronomia dos quais este blog tem participado. Tudo isso está aqui, temperado pela vontade de trocar ideias e aprender. Se você também gosta de um papo de cozinha, puxe uma cadeira e junte-se a nós.

E se quiser conversar com a gente: cozinhaconversa@gmail.com

Google+ Badge

Siga-nos no Twitter @conversacozinha