27 de jan de 2016

Baixos níveis de vitamina D podem aumentar o risco de sofrer de esclerose múltipla

Lembram-se que sempre falamos da vitamina D? Pois ela parece ser ainda mais importante do que a gente pensava!

Uma importante pesquisa genética confirmou o vínculo entre baixos níveis de vitamina D e o risco de sofrer de esclerose múltipla, doença autoimune do sistema nervoso central que afeta o cérebro e a medula espinhal. Segundo especialistas, essa descoberta pode ajudar a melhorar tratamentos e a estimular novas pesquisas para a prevenção da doença.
 
Estudos observacionais anteriores já haviam encontrado uma associação entre os níveis de vitamina D — obtida por meio da exposição à luz solar e da ingestão de alimentos como atum, leite e iogurte — e a esclerose múltipla (EM). No entanto, embora houvesse alguma relação, os resultados não conseguiam comprovar que a deficiência da vitamina poderia levar à doença. Apenas havia indícios de que as pessoas doentes tendem a ficar mais tempo em casa e, assim, são menos expostas ao sol.

Entretanto, um levantamento liderado por Brent Richards, da universidade canadense McGill, 
publicado na revista especializada PLOS Medicine, conseguiu analisar a associação genética entre ambos os fatores em uma população na qual 14.498 pessoas tinham esclerose múltipla e 24.091 indivíduos eram saudáveis. Os pesquisadores conseguiram mostrar que aqueles com, geneticamente, baixos níveis de vitamina D, têm risco redobrado de desenvolver a doença, geralmente diagnosticada entre os 20 e os 50 anos.
 
— É uma descoberta muito importante. Se um bebê nasce com genes associados a uma deficiência de vitamina D, ele pode ter duas vezes mais risco de ter esclerose múltipla quando se tornar adulto — diz Benjamin Jacobs, diretor do Serviço de Crianças do Hospital Real Ortopédico de Londres, Inglaterra.
 
Conforme o médico, ainda não é possível concluir que indicar vitamina D em adultos e crianças saudáveis irá diminuir o risco de desenvolver esclerose múltipla. Mas ele afirma que equipes já estão realizando estudos clínicos para verificar essa possibilidade de prevenção.


A esclerose múltipla é uma doença crônica que afeta cerca de 2,3 milhões de pessoas em todo o mundo. A Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (ABEM) estima que, no Brasil, cerca de 35 mil pessoas são portadores da doença, a qual interfere na capacidade do cérebro e da medula espinhal para controlar funções como caminhar, enxergar, falar, urinar e outras. A EM é caracterizada por problemas de visão e fala, tremores, fadiga extrema, problemas de memória, paralisia e cegueira.
 



Precisa de mais um motivo para reforçar o sol e a alimentação com vitamina D?

A vitamina D também está envolvida na síntese de serotonina e dopamina no cérebro, hormônios que, em grande quantidade, "combatem" a depressão, de acordo com os investigadores.

O estudo também concluiu que níveis adequados de vitamina D são essenciais na manutenção da saúde óssea. Baixos níveis da vitamina podem causar osteomalácia em adultos e raquitismo nas crianças. As duas doenças estão relacionadas ao enfraquecimento dos ossos.



Não adianta só ingerir cálcio, é preciso tomar sol para sintetizar a vitamina, lembram-se?

Quer saber que alimentos são boas fontes de cálcio? 


Veja neste post!


Postar um comentário

Quem cozinha e conversa?

O blog surgiu da vontade de falar de comida, bebida e alimentação saudável, coisas que estão sempre em pauta na nossa cozinha, nos reuniu desde 2009 numa conversa online, como fazia com os papos nas cozinhas de amigos e os eventos deliciosos de gastronomia dos quais este blog tem participado. Tudo isso está aqui, temperado pela vontade de trocar ideias e aprender. Se você também gosta de um papo de cozinha, puxe uma cadeira e junte-se a nós.

E se quiser conversar com a gente: cozinhaconversa@gmail.com

Google+ Badge

Siga-nos no Twitter @conversacozinha